Histórias
da Astronomia
Produção: Irineu G. Varella & Priscila D.C.F. de Oliveira
Nº 009
18 de Janeiro de 2005

 
ASSOCIAÇÃO DE AMADORES DE ASTRONOMIA - AAA
Irineu Gomes Varella *
 

Em 18 de novembro de 2004, a extinta ASSOCIAÇÃO DE AMADORES DE ASTRONOMIA DE SÃO PAULO, a AAA ou, como também era conhecida pelos seus sócios, a 3A's, estaria completando 55 anos de existência. Entre muitas contribuições que deu à Astronomia paulista e brasileira, a AAA foi responsável pela criação do Planetário do Ibirapuera e da Escola Municipal de Astrofísica de São Paulo e, em conjunto com estas instituições, abrigou o primeiro grupo de estudos de radioastronomia e o primeiro radiotelescópio do Brasil.

Muitos não conhecem a sua história e, talvez, nem saibam de sua existência. Por isso, visando a recuperar uma importante página da história da Astronomia brasileira, resolvemos reproduzir o artigo "O ANIVERSÁRIO DA A.A.A.", comemorativo de seu 10º aniversário, publicado no Boletim da AAA, Vol. I, nº 11, em novembro de 1959.

O ANIVERSÁRIO DA A.A.A.

Na folhinha da Associação de Amadores de Astronomia de São Paulo, o dia 18 de novembro de 1959 assinala o 10º aniversário de sua fundação. Durante esses 10 anos foi possível à Associação realizar, pelo menos em parte, o que estabelece o artigo I de seus Estatutos: "... cultivar e estimular o estudo da Astronomia e das ciências correlatas, por todos os meios ao seu alcance". Parece, pois, oportuno relembrar os principais fatos deste primeiro decênio de nossa vida associativa.

A 18 de novembro de 1949 reuniram-se, no Laboratório de Física da Faculdade de Farmácia e Odontologia da Universidade de São Paulo, nove pessoas interessadas em fundar uma associação dedicada ao estudo da Astronomia. Eram essas pessoas:

Prof. Abrahão de Moraes
Abraham Szulc
Prof. Aristóteles Orsini
Ary de Souza Carracedo
Dr. Custódio Cardoso de Almeida
Décio Fernandes de Vasconcellos
Prof. Francisco Degni
Prof. Henrique Tastaldi
Frei Ignácio Gau

e nessa mesma reunião ficou resolvido:

1 - instalar, nesta capital, um laboratório destinado à construção de telescópios;
2 - instalar, na capital ou no interior do Estado, um Observatório Astronômico;
3 - obter uma sede provisória para a Associação.

Oito dias depois teve lugar a segunda reunião com a presença de 17 pessoas e foi então resolvido, por votação, que a entidade recebesse o nome de ASSOCIAÇÃO DE AMADORES DE ASTRONOMIA DE SÃO PAULO, A.A.A.S.P. Constituída uma Diretoria provisória, foi a seguir nomeada uma comissão para elaborar um anteprojeto dos Estatutos.

No dia 17 de maio de 1950 publicou o "Diário de São Paulo", desta capital, a primeira reportagem sobre a fundação da Associação, trazendo a fotografia do primeiro telescópio por ela construído.

A 18 de maio de 1950 teve lugar a primeira Assembléia Geral para a constituição definitiva da Associação, ocasião em que foi lido e aprovado o relatório da primeira Diretoria provisória. Essa Assembléia aprovou os Estatutos sociais e escolheu, por aclamação, a primeira Diretoria da entidade que assim ficou constituida:

Presidente: Décio Fernandes de Vasconcellos
Vice-Presidente: Prof. Abrahão de Moraes
1º Secretário: Fúlvio Abramo
2º Secretário: Heitor da Rocha Azevedo Júnior
Diretor Científico: Prof. Aristóteles Orsini
Diretor Técnico: Abraham Szulc
Diretor Social: Dr. Custódio Cardoso de Almeida
Bibliotecário: Prof. Pedro de Almeida Moura
Tesoureiro: Dr. Nicolino Falci

Em junho do mesmo ano, a Associação instalou a sua sede social à Rua Mauá, 940 em prédio, graciosamente cedido pelo consócio Décio Fernandes de Vasconcellos.

A segunda reportagem sobre a Associação foi publicada n' "A Gazeta" de 4 de julho de 1950, referindo-se ela ao primeiro telescópio construído na A.A.A., cuja fotografia reproduzia. Mencionava ainda os primeiros cursos promovidos e citava o quadro social da entidade, já nessa ocasião, com 115 membros efetivos.

Ao ocorrer, a 18 de novembro de 1950, o primeiro aniversário da fundação da Associação, inaugurou-se uma exposição comemorativa, em uma das vitrinas da Mesbla, nesta Capital. À noite, no auditório do Museu de Arte, o Prof. Aristóteles Orsini realizou a primeira palestra, sobre "A Energia do Sol e das Estrelas".

Prosseguindo em suas atividades, a Associação fez publicar, a 1º de janeiro de 1951, o número 1 de sua revista, intitulada "Capricórnio".

A segunda palestra promovida pela A.A.A., esteve a cargo do Prof. Abrahão de Moraes e foi realizada na sede da entidade no dia 15 de março de 1951. A partir de então multiplicaram-se as conferências, as reuniões e as entrevistas à imprensa. Na sede social prosseguiam os cursos. O número de sócios aumentava dia a dia. Uma pequena biblioteca foi instalada e os primeiros telescópios começaram a ser construídos. O "Diário de São Paulo" passou a publicar, regularmente, "A Semana Astronômica", sob a orientação da Associação.

Na segunda Assembléia Geral, realizada a 29 de maio de 1952, foram lidos e aprovados a ata da Assembléia de Constituição da Sociedade, as contas e o relatório da primeira Diretoria. Consta da ata que, nessa ocasião, pedindo licença para interromper os trabalhos, o consócio Joaquim Muller Carioba comunicou que o Planetário Zeiss, adquirido pela Prefeitura de São Paulo, havia chegado a Santos. Nova diretoria é eleita para o biênio 1952/1954:

Presidente: Décio Fernandes de Vasconcellos
Vice-Presidente: Heitor da Rocha Azevedo Júnior
1º Secretário: Joaquim Muller Carioba
2º Secretário: Waldemar Pancera
Diretor Científico: Prof. Aristóteles Orsini
Diretor Técnico: Abraham Szulc
Diretor Social: Dr. Álvaro de Freitas Armbrust
Bibliotecário: José Ribas Martins
Tesoureiro: Francisco Mormanno


Ainda nesse ano de 1952, o consócio Abraham Szulc publicou um trabalho intitulado "Da Construção do Mapa Parcial de Um Eclipse" e ao ocorrer o segundo aniversário da A.A.A., segunda exposição sobre Astronomia foi realizada, ainda em vitrinas da Casa Mesbla.

Em 1953, o "Palais de la Découverte" de Paris, inaugurou uma exposição na Galeria Prestes Maia, nesta capital e a Associação dela participou com um pequeno mostruário contendo mapas, desenhos, esquemas e aparelhos utilizados em Astronomia. Logo a seguir foi inaugurada a "Exposição do Átomo", patrocinada pelo I.B.E.C.C., a que também compareceu a Associação. Foi publicado o Anuário Astronômico para 1953, seguindo a mesma linha traçada para o de 1952.

Além do Anuário Astronômico e da revista "Capricórnio", a A.A.A. publica o Boletim Mensal que é destinado aos seus associados e enviado gratuitamente às pessoas interessadas, bem como às entidades congêneres do país e do exterior.

Na Assembléia Geral realizada a 18 de maio de 1953, aprovadas a ata da Assembléia Geral anterior e as contas da Diretoria, foi também aprovado um voto de louvor e solidariedade à Prefeitura Municipal de São Paulo, pela resolução tomada a respeito da instalação do Planetário no Parque do Ibirapuera.

Com o Anuário para 1954 começou a Associação a publicar o chamado "Diagrama Planetário", que vem sendo, todos os anos, distribuído aos associados. Outra publicação da A.A.A. é a intitulada "Aspectos do Céu em São Paulo", sendo os desenhos de ambas feitos pelo nosso consócio sr. Vézio Bazzani.

A 17 de maio de 1954 é eleita nova diretoria para o biênio 1954/1956:

Presidente: Prof. Aristóteles Orsini
Vice-Presidente: Joaquim Muller Carioba
1º Secretário: Décio Fernandes de Vasconcellos
2º Secretário: Dr. Otávio Nébias
Diretor Científico: Prof. Abrahão de Moraes
Diretor Técnico: Abraham Szulc
Diretor Social: Dr. Anis Azem
Bibliotecário: Dr. Álvaro de Freitas Armbrust
Tesoureiro: Heitor da Rocha Azevedo Júnior

Foi no ano de 1954 que a Associação publicou o seu mais completo Anuário Astronômico. Naquele mesmo ano, em conseqüência da aposentadoria do Dr. Alípio Leme de Oliveira, resolveu o Governador do Estado nomear o novo Diretor do Instituto Astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo, nomeação essa que recaiu no Prof. Abrahão de Moraes, então Diretor Científico da Associação. Nesse ano, o Laboratório Técnico da A.A.A. apresentava 20 telescópios construídos e 8 em construção.

Na Assembléia Geral Ordinária realizada no dia 23 de junho de 1955, foram criados 30 cargos de diretores sem pasta. Para o biênio 1956/1958 foi eleita a seguinte diretoria:

Presidente: Prof. Aristóteles Orsini
Vice-Presidente: Dr. Álvaro de Freitas Armbrust
1º Secretário: Décio Fernandes de Vasconcellos
2º Secretário: Vézio Bazzani
Diretor Científico: Prof. Abrahão de Moraes
Diretor Técnico: Abraham Szulc
Diretor Social: Alberto Berlendis
Bibliotecário: Arquimedes Sócrates Felizoni
Tesoureiro: Alberto Marsicano

Em 19 de setembro de 1956, por lei estadual, proposta pelo nobre deputado Cid Franco, foi a Associação reconhecida como de utilidade pública.

Em 1956 estava em voga a questão dos chamados "Discos Voadores". A Associação, a princípio, silenciou sobre o assunto, tão vulgar o mesmo lhe parecia. No entanto, a imprensa, o radio e a televisão insistiram em falar sobre o aparecimento de objetos estranhos não identificados. A Associação de Amadores de Astronomia de São Paulo lançou, então, um manifesto que foi publicado em quase todos os jornais desta Capital. Nesse manifesto, afirmava a sua convicção da não-existência de objetos estranhos de origem extra-terrestre. Hoje, decorridos mais de três anos, a A.A.A. pode verificar que suas opiniões eram corretas e que não mudaria uma palavra do manifesto então publicado.

Em fins de 1956 chegava à sua fase final a construção do prédio do Planetário Municipal do Ibirapuera. A Associação foi então convocada para cooperar ativamente com as autoridades municipais, para a montagem e instalação do projetor Zeiss. Já em 1952, o atual Presidente da Associação havia sido comissionado, junto à Prefeitura Municipal de São Paulo, a fim de proceder a estudos sobre a instalação do futuro Planetário desta Capital. No mesmo ano, esteve o Prof. Aristóteles Orsini em Paris, onde fez um estágio no Planetário instalado no "Palais de la Découverte".

Inaugurado o Planetário, a 26 de janeiro de 1957, grande parte da atividade da A.A.A. foi dedicada ao funcionamento desse novo centro cultural.

No período compreendido entre agosto de 1957 e agosto de 1958, a "Folha da Manhã" publicou uma série de artigos intitulados "Aspectos do Céu em São Paulo", ilustrados com mapas celestes desenhados pelo sr. Vézio Bazzani, com projeção sobre o primeiro vertical. Artigos semelhantes e também ilustrados com mapas celestes de autoria do sr. Bazzani foram publicados pela "A Gazeta" de outubro de 1957 a outubro de 1958.

Para o biênio de 1958/1960 foi eleita a seguinte diretoria:

Presidente: Prof. Aristóteles Orsini
Vice-Presidente: Décio Fernandes de Vasconcellos
1º Secretário: Dr. Milton Staudohar
2º Secretário: Heitor da Rocha Azevedo Júnior
Diretor Científico: Prof. Abrahão de Moraes
Diretor Técnico: José Scarel Filho
Diretor Social: Alberto Berlendis
Bibliotecário: Donatella Berlendis
Tesoureiro: Alberto Marsicano

Verificadas as vagas do Diretor Social e do Bibliotecário, foram os referidos cargos preenchidos, por indicação da Diretoria, pelos consócios Euripes Pereira Costa e Gumercindo Lobato, respectivamente.

Por proposta do Nobre Vereador Archimedes Lamoglia, concedeu a Câmara Municipal de São Paulo, à Associação, um auxílio de Cr$ 200.000,00 ( duzentos mil cruzeiros ), o que tem permitido que a entidade mantenha em dia as suas publicações, desenvolvendo ainda outras atividades. Neste setor podemos anunciar que, se acha em fase final de impressão, o trabalho intitulado "Velocidade de Fuga de um Projétil", de autoria do Dr. Paulo Roberto de Paula e Silva. Mais dois trabalhos, "O Movimento Diurno da Esfera Celeste" e "As Estrelas", de autoria do nosso consócio Heitor da Rocha Azevedo Jr. estão em fase final de preparação. Do mesmo autor é também o folheto, em preparo, denominado "O Planetário do Ibirapuera".

Durante os seus primeiros dez anos de existência, recebeu a Associação valiosas doações, de parte de seus consócios, seja de bens materiais, seja de volumes para a sua biblioteca; neste particular é de se acentuar a disposição, manifestada pelo nosso consócio Conde Authos Pagano, de legar à A.A.A. a sua valiosíssima biblioteca.

Notícia igualmente, bastante auspiciosa é a de que se acha em fase final de construção um telescópio Cassegrain-Newtoniano de 30 cm de abertura, destinado a observações astronômicas em nossa Capital. Deverá ser instalado em prédio a ser construído pela Prefeitura ao lado do Planetário. Esse aparelho foi construído pelo consócio sr. José Scarel Filho, Diretor Técnico da Associação, com a colaboração dos associados srs. Alberto Marsicano e André Posso Martins.

 

A.A.A. E O PLANETÁRIO DO IBIRAPUERA

O Planetário do Ibirapuera foi inaugurado a 26 de janeiro de 1957. Antes mesmo da inauguração, o sr. Prefeito da Capital havia designado três comissões: para acompanhar a montagem do aparelho, para o recebimento do mesmo, da firma Zeiss, e finalmente, para as primeiras apresentações. Dessas comissões fizeram parte três elementos da Associação: o Presidente, o Vice-Presidente e o Diretor Científico. Inaugurado o Planetário, foi a sua direção confiada a uma comissão constituída do Secretário de Obras, do Secretário da Educação, do Presidente da Comissão de Construções Escolares, todos da Prefeitura Municipal de São Paulo, e mais, do Diretor do Instituto Astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo e do Presidente da Associação de Amadores de Astronomia de São Paulo. Esta comissão até hoje rege os destinos do Planetário.

Desde a sua inauguração até o dia 31 de outubro [de 1959] foram realizadas 1.201 apresentações, assistidas por 339.487 pessoas e todas as apresentações feitas, graciosamente, por membros da A.A.A., que também se encarregaram da distribuição gratuita de ingressos ao público, da parte musical e das projeções auxiliares.

Vários cursos foram ministrados, gratuitamente, por membros da Associação, no Planetário do Ibirapuera. O primeiro foi destinado à formação de monitores para o próprio Planetário. Seguiram-se outros sobre Cosmografia, Espectroscopia, Teoria da Relatividade (Parte Restrita), etc. Dois cursos sobre Orientação em Campanha foram dados para o 2º Grupo de Canhões Automáticos Anti-Aéreos, de Barueri. Também, para pilotos e navegadores civis, foi ministrado um curso especial sobre navegação astronômica e, em outubro último, terminou um curso sobre Reconhecimento do Céu, a cargo do consócio André Posso Martins. Atualmente, está sendo realizado um curso sobre Construção de Telescópios, sendo o seu responsável o sr. José Scarel Filho, Diretor Técnico da Associação.

A Associação instalou no Planetário uma oficina para a construção de telescópios, passando de duzentos o número dos que foram até agora construídos. Em noites favoráveis para observação, alguns desses telescópios são colocados à disposição do público, no pátio externo do Planetário. Através deles, mais de 70.000 pessoas puderam observar as montanhas da Lua, os anéis de Saturno, os satélites de Júpiter, as fases de Vênus e de Mercúrio, estrelas duplas, nebulosas, aglomerados estelares e galáxias.

O sr. Prefeito da Capital já autorizou a construção de um edifício anexo ao Planetário, destinado à ampliação de suas instalações e em cujo terraço será construída uma cúpula de observatório, a fim de abrigar o telescópio de 30 cm de abertura, construído pela Associação.

Em maio de 1959, reuniu-se, na cidade de Nova York, o 1º Congresso Mundial de Diretores de Planetários, ao qual compareceram representantes de oito países. O Planetário do Ibirapuera, por designação especial do sr. Prefeito Municipal, foi representado pelo Presidente da Associação de Amadores de Astronomia de São Paulo.

As apresentações do Planetário obedecem a dois tipos: públicas e especiais. As sessões públicas são realizadas aos sábados, domingos e feriados às 16, 18 e 20 horas. As especiais tem lugar às 2ª, 4ª e 6ª feiras às 9h 30m para colégios; às 3ª e 5ª feiras às 20h 30m para associações em geral. Mais de 60.000 colegiais já assistiram às sessões matinais do Planetário.

Estas expressivas estatísticas dizem bem do grande trabalho de divulgação cultural realizado pelo Planetário do Ibirapuera, ao qual a A.A.A. empresta todo o apoio e cooperação possíveis.


RADIOASTRONOMIA

Ao lado do Planetário, com a devida autorização do sr. Prefeito Municipal, a A.A.A. deu início, em junho de 1959, à construção de um radiotelescópio - o primeiro a ser instalado na América Latina. Esse radiotelescópio irá operar na freqüência de 300 MHz. Sua antena é constituída por um refletor parabolóide de 30m de diâmetro; sua distância focal, correspondendo à altura do mastro central, tem 21 m, na extremidade do qual vai colocado o dipolo de 50 cm.

O Departamento de Radioastronomia da A.A.A., sob a direção do consócio sr. Pierre Kauffmann, conta com a colaboração dos seguintes elementos: Alfredo Duberger, Carlos Ancêde Terra, Eronides Aguirre Lopes, Eurico Moyses Kulb, Isaac Gruber, Plinio d'Andrea e Rodolpho Vilhena de Moraes.

Antes de dar início à construção do radiotelescópio do Ibirapuera, o sr. Pierre Kauffmann manteve contacto, praticamente, com todos os radiotelescópios do mundo. Em janeiro de 1960, deverão ser feitos os primeiros testes de funcionamento do aparelho.

***

Dez anos se passaram. É com justificado orgulho que a A.A.A. volve os olhos ao passado para recordar algumas de suas realizações. O quadro social da Associação apresenta hoje mais de 1.000 sócios inscritos; seu Departamento Técnico já construiu cerca de 200 telescópios; na Biblioteca estão catalogados, aproximadamente, 400 volumes de obras especializadas, que são, constantemente, consultadas pelos sócios da A.A.A. e pelos interessados em geral; o radiotelescópio acha-se em fase final de construção; mais de 20 cursos foram ministrados na sede da Rua Mauá e no recinto do Planetário do Ibirapuera; cerca de 40 conferências foram pronunciadas por diretores e sócios da entidade; no Planetário foram realizadas apresentações assistidas por mais de 345.000 pessoas.

Nosso exemplo frutificou: várias associações congêneres foram fundadas em vários pontos do país e também no exterior, sob a orientação da Associação de Amadores de Astronomia de São Paulo.

Alguma coisa foi realizada; muito resta, no entanto, a realizar.

 

Imprimir  
 
Produção, autores e contatos

Irineu Gomes Varella

Astrônomo. Diretor do Planetário do Ibirapuera
e da Escola Municipal de Astrofísica
de São Paulo, no período de 1980 a 2002.

Priscila D. C. F. de Oliveira

Coordenadora do Centro de Documentação Técnica e Científica em Astronomia do Planetário e
Escola Municipal de Astrofísica de S Paulo.

Ultima revisão: 02 de Outubro de 2005
Web Designer: Irineu Gomes Varella
Colaborador nesta página: Carlos Roberto Torres Varella

Para receber informações sobre eventos astronômicos e uma mensagem eletrônica a cada Circular Astronômica editada,
participe do grupo informativo URANOMETRIA NOVA do Yahoo! Grupos.