Histórias
da Astronomia
.
Nº 019
31 de Agosto de 2005

 
A DESCOBERTA DO PLANETA NETUNO
Priscila Di Cianni Ferraz de Oliveira *
 

Noite de 23 de setembro de 1846. Límpida e sem luar. O silêncio no Observatório era apenas quebrado pelo leve ruído do telescópio em movimento e pela suave e regular batida do pêndulo do relógio sideral.

- Esta estrela não consta da carta, afirmou o Prof. Johann.
- Vou conferir todo o campo estelar novamente, dispôs-se Heinrich.

Após alguns minutos veio a confirmação:

- O senhor tem razão Prof. Johann. Creio que já encontramos o planeta do sr. Leverrier e bem próximo da posição por ele indicada.

Pode bem ter sido esta a conversa que mantiveram, naquela noite, os astrônomos Johann Galle e Heinrich D'Arrest enquanto procuravam pelo planeta indicado alguns dias antes, em uma carta dirigida ao Observatório de Berlim, pelo astrônomo Leverrier.

***

Menos de uma hora de trabalho observacional foi necessário, na noite do dia 23 de setembro de 1846, para que os astrônomos Johann Gottfried Galle (1812-1910) e seu assistente Heinrich Louis D'Arrest (1822-1875), ambos do Observatório de Berlim, encontrassem um novo planeta do Sistema Solar - o planeta Netuno - o oitavo em ordem de distância ao Sol e o quarto em tamanho.

Fig. 1- O planeta Netuno em imagem da sonda Voyager 2.

Galle havia recebido uma carta de seu colega Urbain Jean Joseph Leverrier (1811-1877), astrônomo do Observatório de Paris, com instruções para a busca desse novo astro, isso porque, os mapas do Observatório de Berlim eram excelentes e, portanto, um objeto com aspecto estelar, no local indicado e com o brilho calculado e que não estivesse assinalado no mapa, seria facilmente identificado.

Leverrier, demonstrou por cálculos que as perturbações no movimento do planeta Urano, não eram devidas a falhas na teoria da gravitação de Newton e nem poderiam ser explicadas apenas pela presença dos planetas Júpiter e Saturno e sim, pela existência de um outro corpo. Ele chegou a calcular a massa e a órbita desse novo planeta.

Trabalhando de forma completamente independente, outro jovem astrônomo, o inglês John Couch Adams (1819-1892), na época com 24 anos de idade, também chegou à mesma conclusão. Determinou também a órbita e a posição do novo corpo, situando-o na constelação de Aquarius. A posição calculada por Adams para o novo planeta diferia em apenas 1º da obtida por Leverrier.

Adams chegou a enviar seus cálculos para o astrônomo real George Bidell Airy (1801-1892), mas embora tenha tentado por três vezes que ele o recebesse, não o conseguiu, pois Airy estava sempre ocupado. Adams acabou por se ofender e não mais o procurou para discutir a sua possível descoberta.

Quando Airy soube dos trabalhos de Leverrier, solicitou que James Challis (1803-1882) diretor do Cambridge Observatory, utilizando os cálculos de Adams, iniciasse uma busca minuciosa pelo novo astro. Os mapas do Observatório, no entanto, não eram atualizados e muitas estrelas não assinaladas nos mapas tinham que ser observadas por várias noites na tentativa de se detectar o deslocamento aparente típico de um planeta, o que tornou o trabalho lento.

No dia 1º de outubro de 1846, o jornal "The Times" anunciou a descoberta do novo planeta. Leverrier batizou-o com o nome de Netuno. Logo surgiu uma disputa entre franceses e ingleses sobre quem teria sido o real descobridor de Netuno. Hoje em dia, a comunidade astronômica considera que ambos têm os créditos pelos cálculos que propiciaram a sua descoberta.

Por incrível que pareça, Netuno já havia sido observado diversas vezes e por vários astrônomos antes de sua descoberta e que não identificaram corretamente a natureza do corpo que estavam observando, confundindo-o com uma estrela. Entre eles estão: Galileu em 1612, Lalande em 1795, Herschel em 1830 e Von Lamont que o observou apenas 12 dias antes da descoberta de Galle e D'Arrest.

Fig. 2 - Carta celeste com a posição do planeta Netuno em 23.SET.1846.
 

Imprimir
 
Produção, autores e contatos

Irineu Gomes Varella

Astrônomo. Diretor do Planetário do Ibirapuera
e da Escola Municipal de Astrofísica
de São Paulo, no período de 1980 a 2002.

Priscila D. C. F. de Oliveira

Coordenadora do Centro de Documentação Técnica e Científica em Astronomia do Planetário e
Escola Municipal de Astrofísica de S Paulo.

Web Designer: Irineu Gomes Varella
Ultima revisão: 19 de Novembro de 2005

Para receber informações sobre eventos astronômicos e uma mensagem eletrônica a cada Circular Astronômica editada,
participe do grupo informativo URANOMETRIA NOVA do Yahoo! Grupos.