Planetários
 
Produção: Irineu G. Varella & Priscila D.C.F. de Oliveira
Ultima atualização: 01 de Julho de 2009

 
PLANETÁRIOS
 

Planetários são equipamentos ópticos, mecânicos, elétricos ou eletrônicos que têm a finalidade de reproduzir artificialmente o aspecto do céu. Por extensão, os edifícios que abrigam esses equipamentos são também denominados Planetários. Em função do diâmetro da cúpula de projeções, os planetários podem ser classificados em:

TIPO
DIÂMETRO DA CÚPULA
NO BRASIL
1.
Mini-Planetários
até 6 m
4
2.
Planetários de Pequeno Porte
de 6 m a 11,9 m
18
3.
Planetários de Médio Porte
de 12 m a 17,9 m
8
4.
Planetários de Grande Porte
18 m ou mais
3
   
TOTAL DE PLANETÁRIOS:
33

Os equipamentos produzidos para os planetários de grande porte têm a capacidade de reproduzir o aspecto do céu de qualquer lugar da Terra e, também, o aspecto do céu que foi visto no passado ou que será visto no futuro. Projetam cerca de 8.900 estrelas até a magnitude 6,5 além de galáxias, nebulosas e aglomerados estelares visíveis à vista desarmada. Projetores especiais reproduzem o Sol, a Lua ( com as suas fases ), os planetas visíveis à olho nu ( Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno ) além de cometas, meteoros, a Via-Láctea etc.

Dos 31 projetores dos planetários fixos instalados no Brasil, 19 ( 61,3% ) são de fabricação da empresa alemã CARL ZEISS, 03 ( 9,6% ) são da empresa SPHAERA, 02 ( 6,5% ) são da empresa norte-americana STARLAB, 02 ( 6,5% ) são planetários digitais, 02 ( 6,5% ) são de procedência desconhecida (Planetários de Paracamby e de Três Rios), 01 ( 3,2% ) da empresa italiana GAMBATO, 01 ( 3,2% ) da empresa ASTERDOMUS e 01 ( 3,2% ) de fabricação própria. Há 02 planetários que não utilizam projetores (Planetário Mundo Estelar e Planetário Tridimensional de União da Vitória). As imagens abaixo ilustram o primeiro planetário fabricado e o modelo mais recente produzido pela ZEISS.

 
 
Planetário Zeiss - Modelo I
Planetário Zeiss Universarium - Mod. IX
 
 
UMA SESSÃO NO PLANETÁRIO DE SÃO PAULO
 

O Planetário de São Paulo, instalado no Parque Ibirapuera, foi o primeiro Planetário construído no Brasil e o primeiro planetário Zeiss no hemisfério sul da Terra, tendo sido inaugurado em 26 de janeiro de 1957. Durante mais de uma década, foi o único planetário em funcionamento no Brasil e até há alguns anos era o maior planetário do hemisfério sul da Terra.

Desde a sua inauguração até 1966, foi operado graciosamente por membros da extinta Associação de Amadores de Astronomia de São Paulo ( AAA ) que implantou um modelo de apresentação que fascinou os paulistanos durante quase 43 anos ( até dezembro de 1999, quando o edifício foi fechado para reformas ).

A didática das apresentações constituiu-se no ponto de destaque do espetáculo e modelo que foi seguido por outros planetários brasileiros e latino-americanos. Reproduzimos adiante, o texto de Heitor da Rocha Azevedo Jr., intitulado "O Planetário do Ibirapuera", publicado pela AAA em 1959 e que descreve de maneira brilhante, o espetáculo que esteve em cartaz durante 43 anos na cidade de São Paulo. Clique e veja:

 
 
Como Funciona um Planetário
 
 

Imprimir
 
Produção, autores e contatos

Irineu Gomes Varella

Astrônomo. Diretor do Planetário do Ibirapuera
e da Escola Municipal de Astrofísica
de São Paulo, no período de 1980 a 2002.

Priscila D. C. F. de Oliveira

Coordenadora do Centro de Documentação Técnica e Científica em Astronomia do Planetário e
Escola Municipal de Astrofísica de S Paulo.

Web Designer: Irineu Gomes Varella
Ultima revisão: 01 de Julho de 2009

Para receber informações sobre eventos astronômicos e uma mensagem eletrônica a cada Circular Astronômica editada,
participe do grupo informativo URANOMETRIA NOVA do Yahoo! Grupos.